Amor de um velhinho

sábado, 24 de maio de 2014


    Um dia estava rezando, diante de uma imagem de Maria, S. Afonso Rodriguez, irmão leigo jesuíta, muito bom e muito santo.

    Já era velhinho e passava longas horas aos pés de sua boa Mãe do Céu. Às vezes punha-se a chorar como uma criança; às vezes sorria como um anjo. Tinha algum sofrimento? Ia logo comunicá-lo a Nossa Senhora.

    Sentia alguma alegria? Depressa, ia contá-la à Mãe do Céu. Tentavam-no os demônios? Corria aos pés da Imaculada e pedia-lhe que não o desamparasse nem na vida nem na morte.

    Naquele dia estava ele a dizer a Nossa Senhora que a amava muito, muitíssimo, com toda a sua alma, com todo o seu coração. E parecia ao santo velhinho que a Virgem Santíssima lhe sorria amavelmente. Ouviu, enfim, ou pareceu-lhe ouvir uma voz que dizia:

-Afonso, quanto me amas?

E o bom do velho respondeu:

-Olha, minha boa Mãe do Céu: amo-te tanto, tanto, que é impossível me possas amar tanto como eu te amo.

     A Senhora, ouvindo isso, levanta a mão amorosa, dá-lhe uma leve bofetada e diz:

-Cala-te, Afonso, cala-te!... que estás dizendo? Eu te amo imensamente mais do que tu me podes amar.

     Eis por que devemos amar a Maria: ama-nos tanto que jamais poderemos compreender toda a grandeza de seu amor.

Fonte: Livro: Tesouros de Exemplos, Padre Francisco Alves, 1958.
Compartilhe este artigo :

0 comentários:

Deixe seu comentário

Diga-nos o que voce está pensando... !

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2011. Vas Honorabile - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Inspired by Sportapolis Shape5.com
Proudly powered by Blogger