MAIO COM MARIA: Dia 05 - Maria é toda bondade para com os homens

domingo, 5 de maio de 2013




Considera S. Pedro Damião o grande poder de Maria e nestes termos implora a sua compaixão: Que vossa natural bondade e vosso poder vos levem a ajudar-nos, porque tão misericordiosa haveis de ser, quão poderosa sois. Ó Maria, querida advogada nossa, na rica piedade de vosso coração não podeis ver infelizes sem que deles tenhais compaixão; e na riqueza de vosso poder junto de Deus salvais a todos quantos protegeis. Dignai-vos também patrocinar nossa causa, causa de infelizes que em vós põem suas esperanças. Se não vos moverem nossos rogos, deixai-vos então levar pelo vosso bondoso coração, pelo vosso grande poder ao menos. Pois de tanto poder enriqueceu-vos o Senhor, para que tão misericordiosa fosseis em ajudar-nos, quão poderosa sois para fazê-lo. – Mas disto nos assegura S. Bernardo, dizendo que Maria, tanto em poder como em misericórdia, é sumamente rica; assim como a sua caridade é poderosíssima, também assim é piedosíssima para se compadecer de nós, como sem cessar no-lo revela.



Enquanto Maria viveu na terra, seu constante pensamento, depois da glória de Deus, era ajudar os necessitados. Sabemos que desde então já gozava o privilégio de ser ouvida em tudo o que pedia. Haja em vista, por exemplo, o que se passou nas bodas de Caná, na Galiléia. Veio a faltar o vinho, com vexame e contratempo então para os esposos. Cheia de compaixão, a Santíssima Virgem pediu ao Filho que os consolasse com um milagre. Expôs-lhe a necessidade em que se viam, dizendo: Eles não têm vinho (Jo 2, 3). Respondeu-lhe Jesus: “Que há entre mim e ti, mulher? A minha hora ainda não chegou”. Note-se que aparentemente o Senhor sonegou a graça desejada por sua Mãe, com as palavras acima citadas: Que importa a mim e a ti essa falta de vinho? Por enquanto não me convém fazer um milagre, cuja hora ainda não soou. Ela virá com o tempo de minha pregação, no qual devo confirmar com milagres a minha doutrina. Contudo, Maria, como se o Filho a tivesse atendido, disse aos criados: “Fazei tudo o que ele vos disser”! Eia, ânimo, sereis consolados! E com efeito, Jesus Cristo para dar gosto a Maria mudou a água em ótimo vinho. Mas como assim? Se o tempo prefixado para os milagres era o da pregação, como é que, mudando a água em vinho, antecipou Jesus os decretos divinos? A isso responderemos que nada houve de encontro aos decretos divinos. De fato, geralmente falando, não era ainda chegada a hora dos milagres. Entretanto já desde toda a eternidade havia Deus estabelecido que jamais rejeitaria um pedido de sua Mãe. Ciente de tal privilégio, disse Maria aos criados, apesar da aparente recusa de seu Filho, que fizessem tudo o que ele lhes mandasse, como se a desejada graça já houvesse sido outorgada. O mesmo diz um comentário de S. João Crisóstomo à sobredita passagem: Não obstante ter o Senhor dado aquela resposta, todavia, para honrar sua Mãe, não deixou de atender-lhe o pedido. É igual o comentário de S. Tomás: Com as palavras “Não é chegada a minha hora”, quis Jesus mostrar que teria diferido o milagre, caso qualquer outra pessoa lho tivesse pedido; mas porque a Mãe o solicitou, fê-lo imediatamente. Segundo Barradas, são da mesma opinião S. Cirilo de Alexandria e S. Ambrósio e também Jansênio, Bispo de Grandes.


(Glórias de Maria – Santo Afonso Maria de Ligório)

*Grifos meus.
Compartilhe este artigo :

0 comentários:

Deixe seu comentário

Diga-nos o que voce está pensando... !

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2011. Vas Honorabile - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Inspired by Sportapolis Shape5.com
Proudly powered by Blogger